Moda que só mesmo um rei pode transformar em decreto.

sexta-feira, 10 de julho de 2009 - Postado por Luiza Drumond às 07:33

Vestido-homenagem da coleção do francês Jean-Charles de Castelbajac, lançada em março de 2009. (Foto: AP)





Apesar de não ser fã, o estilista Marcelo Sommer reconhece que cantor também será lembrado por seu legado fashion. “No Japão, onde é moda é mais fantasiosa, Michael Jackson certamente influenciou grifes e a moda das ruas”, opina.


Sommer destaca o figurino do videoclipe “Thriller”, de 1982, como um dos mais marcantes da trajetória do astro. “Eu seria capaz de criar um desfile inteiro com as roupas daqueles zumbis. Os sapatos, a jaqueta vermelha retrô que o Michael usava são geniais”.



Para o estilista, o rei do pop e Madonna, a rainha, têm uma característica em comum quando o assunto é o figurino. Ambos “tentam parecer que são de outras décadas”.


“Michael se tornou ícone dos anos 80 usando uma moda inspirada nos 50. E a Madonna sempre volta no tempo, como fez no álbum ‘Confessions on a dance floor’”, analisa Sommer, lembrando o álbum lançado em 2005, no qual a cantora investiu no visual disco setentista.


Lula Rodrigues, especialista em moda masculina, defende que Michael Jackson é o criador do “glam americano”. “Ele simbolizou para os Estados Unidos o que David Bowie foi para a moda inglesa. O ‘glam’ do Jackson vem da Broadway e é extremamente americanizado”, compara.


Rodrigues conta que nos anos 80 um anúncio da Armani trazia aquele que para muitos críticos é um pecado fashion: meias brancas usadas com sapato social preto. “Até então isso era considerado um crime hediondo para os fashionistas!", exagera. "Mas o Michael Jackson, num ato de licença poética para destacar o seu ‘moonwalk’, tornou essa combinação extremamente cool”.

Reações: