Apresentação ? Talvez .

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 - Postado por Raphael às 20:44
Oioi :D Sou Raphael, novo 'sócio' da Lu e a partir de hoje vou contribuir com ela, pra fazer dissaquê mais foda ainda(ou não).
Já estou apresentado? Bem, nunca achei que conhecia alguém apenas por saber seu nome, então vo falar mais um pouquinho.
Quando eu e a Lu nos conhecemos, ela me fez a seguinte indagação: 'Mas então Raphael, me fale sobre você.' (?) E agora, o que fazer? Falar de mim não é exatamente uma missão muito fácil. Porém alguns dias antes eu tinha escrito um texto, com o objetivo de tentar me entender um pouco mais, vo postar ele aqui só pra tentar ajudar vocês a entender um pouco mais essa pessoa que vos fala. Não é tão legal quanto as coisas que a Luiza posta, mas juro que me esforço, hahaha! Beijos povão, e espero que o texto seja de alguma utilidade ^^

Raphael

Faces

Bem, sempre achei que houvesse dentro de mim 3 diferentes faces de mim mesmo.

Um deus, um louco, e um sábio.

Talvez essas três faces sejam apenas pseudônimos que uso para me afastar de minhas responsabilidades. Quando me controlo, sou o deus. Quando me precipito, sou o louco. Quando escolho entre me controlar ou me precipitar, sou o sábio.

Olhando assim, até que faz sentido né? Olhando de fora, sou apenas mais um ser humano em 6 bilhões que procuram formas de se eximir de responsabilidades e de colocar a culpa no otário que está mais próximo.

A grande diferença é que a maioria acha mais fácil colocar essa culpa em alguém alheio, e que não tem nada a ver com a história toda. Nunca concordei com isso, talvez daí tenha surgido a idéia das três faces de mim mesmo. Talvez! Eu também nem sei de onde veio essa história maluca!

Na verdade, na verdade MESMO, essas três faces são apenas os otários que estão mais próximos de mim e por isso sempre levam a culpa.

Alguns devem estar se perguntando se eu acho isso certo. Sim eu acho. Afinal, mesmo que foram criados para fazerem com que eu me sinta bem, ainda que tenha feito a maior cagada que se poderia imaginar, elas não me tiram a culpa, tiram? Eles são ou não são eu? Claro que são! São pedaços, fragmentos, emoções minhas. São tudo o que penso(e o que não penso), são tudo o que faço, são tudo o que vivo. Logo, para o mundo exterior ao que vivo, a culpa ainda é minha. A diferença só será sentida no meu mundo, no meu universo, na minha consciência, porque neles quem manda sou eu e não há nada ou ninguém que possa me julgar a ponto de me fazer sentir culpado.

Porque culpado, é o otário que está do lado.


Reações: