As mesquinharias de Clarice

segunda-feira, 23 de novembro de 2009 - Postado por Luiza Drumond às 09:52

Clarice era maldita, escolhia as palavras como troca de roupa.
Vivia perambulando no meio das folhas de Outono.
Há semanas ela prometia que iria começar a embrulhar os presentes, ela queria alguém velho pra ajudar, alguém que tenha experiência, quem sabe assim ele não poderia a ensinar.
Ela respirava fundo e não sabia dar o laço. Então veio vindo um moço, devagarzinho, sem querer atrapalhar, tomando cuidado aonde pisava.
Era José, o menino que embala presentes, tinha mais o menos uns 15 anos.
Era alto, magro e bonito. Vestia uma meia branca até os joelhos e tinha os olhos esperançosos. Brilhantes, um par de jabuticabas pretas.
Ficou lá observando a dificuldade da menina pra dar um laço, deu riso meio torto que fez o coração pular... Sem perceber deixou cair uma caixa avermelhada que tinha uns embrulhos e laços. Apanhou depressa, mais não o suficiente para que a menina não percebesse a bagunça.
Logo, logo ela se levantou e andou depressa até o embalador. Perguntou o que ele estaria fazendo por lá, o menino não deu a mínima pra Clarice, não queria compra um briga...
Ela era um pouco ranzinha, minada e cruel. Vivia rindo da dor dos outros, sem ninguém saber que ela tinha um segredo, confidencial e nem eu sei qual é.
Ela guardava uma magoa e quando tocávamos nesse assunto logo logo se desfazia dele.
Era curioso, aguçava certa aflição em José de ver a menina daquele modo, logo ele que cresceu com ela e não sabia do tal segredo.
As folhas de Outono não paravam quietas, como se fosse um tormento na mente de Sté,
era irmã de Clarice...Uma menina doce, tinha medo da vida, tinha desistido de amar, queria sumir.
Foi a partir daí que José começou a perceber que talvez o segredo da minada menina Clarice fosse sobre sua irmã.
A menina tinha sofrido uma perda quando criança, uma perda imperdoável e insubstituível... De uma amiga, as duas eram feito unha e carne, uma só. Viviam rindo, brincando e fazendo uma debocha saudável dos outros. Alice era o nome dela, alta com cabelos pretos, feito carvão...

Sem saber por que, não tinha data marcada Alice foi embora, na madrugada de sábado de 1982, não deixou carta, só um bilhete que dizia:

Fui por você ter me marcado com uma magoa em meu peito.
Cuide-se,
Alice.


Era manhã de sábado, Clarice acordou toda animada, pois era festa da vila... Foi acordar sua querida amiga. Não a encontrou, leu o bilhete e desabou, sentiu um aperto no peito inexplicável. Não sabia o que fazer se corria ou fica por lá. Decidiu correr, passou por José e Sté.
Eles sem saber o porquê de tanta correria continuaram andando. Sté pensou, talvez seja felicidade demais por causa da festa. O embalador e sua irmã não perceberam a mágoa escorrer nos olhos de Clarice.
A menina foi parar no final da cidade, onde passou um bom tempo na esperança de sua amiga voltar.
Anoiteceu e data a largada da festa. Balões, palhaços e barraquinhas estavam por lá...

Sté estava grudada em José ainda, não deram falta da menina minada, tinham que cuidar da festa, a noite estava adorável!

Horas e horas, dias e dias se passaram, que por fim Sté deu falta de sua irmã. Foi atrás, tentando seguir o menos caminho que ela percorreu.
José morava pelas aquelas bandas, Clarice se escondeu bem quietinha para que ele não a visse.
A menina que tinha medo da vida encontro José e conversou...
Sté disse a José que estaria indo embora da cidade, não agüentava mais a molecagens de Clarice e infelicidade dela quando sua irmã estava feliz.
Disse também que tinha medo do amor e mais medo ainda dos olhos cegos dele.
Pediu para o menino robusto tomar conta de Clarice e ajudasse ela no que fosse preciso.
Clarice imediatamente saiu aos berros, jogou na cara de Sté o que Alice fez a ela, disse também que estava muito triste com a decisão dela...
A menina pensou: - Se você é minha irmã tem o dever de aturar tudo que venha de mim, seja lá boa ou ruim...

Sté ficou sem reação e com um grande peso na consciência, decidiu ficar, suportar os olhos cegos de José e as mesquinharias de Clarice.


Clarice disse a ela mesma:

-Desculpe-me se fui mesquinha, só não quero mais um buraco mais profundo ainda dentro de mim. Foi à forma que encontrei de não te perder.
Reações: